Morreremos Pérfidos (1 min)






Ouvi dizer que somente um ser pedante cava uma cova em sua alma e enterra sua loucura, no intuito de um dia desenterrá-la e achá-la mais contida, mais calada, menos agressiva… com suas infinitas dúvidas sanadas. Que esta tentativa de se tornar incólume era fajuta, e que iria dilapidar o único lampejo de lucidez existente. Para estas pessoas, eu deveria libertar minha insanidade. Mostrá-la sem receio das contestações e acusações.
Que seres pérfidos são estes que isto me aconselham! Abusariam da minha pobre loucura. Escutariam-na atentamente, para depois julgá-la e condená-la. Diriam a ela que a marcha fúnebre não é bela, e sim grotesca, que o vermelho do sangue não passa de hemoglobinas em variados estados de oxigenação. Diriam que minha caneta não fere o papel, e sim a mim, e que meus ossos irão virar poeira. Matariam-na e me matariam junto. E antes dela dar seu último suspiro, pegariam suas teorias e as fariam suas…
Não, morro misantrópico, sórdido, pedante, mas pândego. Aprendo a conviver com minha insanidade no curto tempo de vida que tenho, e quando chegar à hora, não a enterro somente, mas me enterro junto. Nos seus braços, dou-lhe o último ósculo com vida. E assim, morremos os três: eu, minha insanidade e suas ideologias.












Anajúlia Marques Cunha


Nota da imagem: Fotografia de Zifeng Wei.
Texto publicado originalmente em 14.03.2014


Nenhum comentário:

Tecnologia do Blogger.